quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Carta em resposta ao portal ÚLTIMO SEGUNDO (notícias da iG) sobre a matéria "Extrema direita universitária se alia a skinheads"

Link da matéria tendenciosa: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/extrema-direita-universitaria-se-alia-a-skinheads/n1597226175495.html

Por Celso Zenaro

27/09/2011


O jornalista Ricardo Galhardo nos abordou expressando a intenção de escrever uma matéria sobre a UCC que apresentasse ao público nossas atividades, objetivos e bases ideológicas. Tal interesse foi despertado após o primeiro contato realizado na Contra-Marcha da Maconha, promovida pela UCC em aliança com outras duas organizações. Ao contrário do que o caráter panfletário da reportagem evidencia – a começar pelo seu título eivado de um sensacionalismo característico de jornalismo policial de bairro – o jornalista transpareceu alguma seriedade, sobretudo ao afirmar que uma de suas expectativas era justamente a de desconstruir alguns mitos relacionados a tais organizações e de que o interesse específico pela União Conservadora Cristã era fundamentada no fato de se tratar de uma organização universitária, algo que nos distinguia solenemente.

A entrevista perdurou por quase três horas e se dividiu entre perguntas seguidas de respostas formais e digressões sobre assuntos diversos, com o repórter relatando algumas de suas experiências que inclusive endossavam algumas das declarações do entrevistado. Ao ler a matéria publicada, a conclusão mais óbvia que se anunciou é a de que o jornalista premeditou sorrateiramente o seu conteúdo antes mesmo de executar a entrevista. Tudo o que lá se escreve tenta legitimar o histriônico título “Extrema-Direita Universitária Se Alia a Skinheads”. A técnica difamatória utilizada pelo militante travestido de jornalista foi a de recortar frases soltas – que separadas do contexto em que foram proferidas e do raciocínio que as precedeu estão sujeitas as mais levianas interpretações –, projetar sobre o entrevistado algumas de suas crenças particulares acerca de sua organização e reproduzir alguns de seus comentários secundários e acessórios como se fossem argumentos capitais capazes de impugnar determinadas acusações.

Segue meus esclarecimentos a cada uma das questões distorcidas e manipuladas pelo jornalista:

“Estamos aqui para batalhar tanto intelectualmente quanto fisicamente”

Tal frase foi dita quando eu descrevia o panorama do movimento estudantil. É de conhecimento comum que as ações políticas na universidade são monopolizadas pela esquerda e que qualquer ameaça de oposição, por mais modesta que se apresente, é por ela prontamente rechaçada sem o menor escrúpulo de recorrer a expedientes de violência se assim julgarem necessário. Portanto, a citada disposição para a batalha física adquire um significação de que, diferentemente de outros grupos, não nos deixaremos intimidar por palavras de ordem ou investidas de agressão. O jornalista, mesmo sabendo perfeitamente do que eu estava falando, recortou essa frase e a enquadrou a seu bel prazer de modo a identificá-la com uma veneração pela violência, possivelmente confirmada por nossa fictícia “aliança com skinheads”.

“O que precisamos é de homens dispostos a morrer por seus valores”

Mais uma vez o jornalista promoveu um arranjo para encaixar uma frase em uma lógica imaginária e difamatória, sugerindo que expressaria novamente uma admiração pela violência de grupos extremistas. A referida foi dita quando explicava o que sobrepõe o conservador cristão a pseudo-direita brasileira, ou, como o jornalista gostava de classificá-la, “direita coxinha”. Neste caso, um autêntico cristão estaria disposto a morrer se fosse perseguido por suas posturas, eis a firmeza de convicções que faltaria à oposição política brasileira. O jornalista adora rotular os outros de intolerante, porém não tolera a hipótese de escrever a verdade.

“Essa postura de combate me inspira muito. Uma inteligência que não está disposta ao combate é uma inteligência vazia”

Outra frase recortada para nos associar a entidades existentes e hiperbolizadas no discurso da mídia esquerdista. Criticava nesse trecho a proliferação de movimentos conservadores que agem restritos à internet e elogiava aqueles que apresentam a hombridade de sair às ruas e não me referia a nenhuma gangue ou tribo urbana. Todas as organizações que ousam militar por valores conservadores têm pleno conhecimento de que serão boicotadas ou satirizadas pela imprensa – tomemos como exemplo a grande mobilização contra a PL 122 ocorrida em Brasília -, nessa conjuntura, a postura de combate é sim uma virtude louvável.

UCC e referências

O Integralismo (atualmente representado pela FIB) e o IPCO jamais foram citados como referências teóricas e doutrinárias. O que foi afirmado é que são organizações com as quais estamos dispostos a dialogar e propor ações conjuntas contra problemas concretos. Ademais, o jornalista demonstra uma ignorância brutal e safadeza descomunal ao etiquetar o Integralismo como uma versão nacional do nazismo. A respeito do filósofo Olavo de Carvalho, o mesmo sequer ouviu falar da nossa organização (pelo menos não até a publicação da matéria). Nossa relação com ele se reduz à leitura de sua obra e admiração por sua coragem e vida consagrada aos estudos.

UCC e PSDB

As duas formas de nos associar ao PSDB expressaram claramente a má-fé do jornalista.

Em primeiro lugar, quando mencionei de passagem nossa conversa com a juventude do PSDB discorria sobre a história em movimentos políticos dos membros fundadores e aludia a um episódio que ocorrera quando a UCC sequer existia, de modo a frisar como e porque percebemos que não poderíamos participar de grupos já existentes, uma vez que tínhamos posicionamentos inflexíveis quanto a determinadas questões. Ou seja, um comentário sem qualquer importância para o objetivo da matéria conforme o declarado pelo jornalista, mas que ele selecionou com o intento de explorar o estereótipo da “classe média tucana” tão familiar ao vocabulário petista.

Em segundo lugar, as razões que fomentaram nosso voto por exclusão em José Serra foram simplificadas ao cúmulo do ridículo. Nossa ojeriza ao PSDB não se reduz a considerações genéricas como a frase reproduzida “Serra manteve alguns ideais de esquerda” indica. Ao justificar nosso voto em José Serra, expliquei pausadamente as relações espúrias do PT e seu protagonismo no Foro de São Paulo, uma organização com projeto de poder continental em fase adiantada de aplicação e que tem como suporte financeiro o narcotráfico coordenado pelas FARC. Isso me recordo muito bem que o jornalista anotou, mas talvez achou inconveniente reproduzir na matéria, dando preferência a frases curtas que isoladas não dizem nada. Talvez para ele tudo aquilo que estiver à direita da cumplicidade tucana com o projeto totalitário petista seja mesmo “extremismo”.

“Para os jovens da UCC, a USP é um antro comunista, nenhum partido político é suficientemente conservador, a pedofilia na Igreja é fruto da infiltração de agentes da KGB, o sexo é uma forma de idiotização da juventude, Geraldo Alckmin colocou uma mordaça gay na sociedade paulista, Fernando Henrique Cardoso foi o criador de Lula e Lula é o próprio anticristo.”

Uma mentira grosseira e duas deturpações.

1 - Quando mencionei a relação entre os casos de pedofilia na Igreja com a ação da KGB, tive o cuidado de observar repetidas vezes de que não estava afirmando categoricamente que a pedofilia só existia exclusivamente em decorrência disso. Apenas ressalvei que eram estudos realizados – citei dois livros a respeito – e vastamente ignorados pelos jornalistas.

2 - Sobre sexualidade e juventude, fui perguntado acerca da moral sexual cristã e sua aplicabilidade na vida ordinária do jovem hoje. Disse que a defesa da moral sexual não pode ser baseada na ênfase em normas fechadas mas sim abordadas de acordo com a abrangência que o assunto reclama, na qual está incluída a erotização excessiva promovida pela indústria de publicidade e entretenimento como um método de escravização psicológica da juventude. O jornalista afirmou que igualmente percebia esse problema e que compartilhava dessa preocupação por motivos de ordem familiar. Entretando, na matéria buscou caricaturar ao evocar a impressão de que acreditamos que qualquer jovem que pratique sexo é automaticamente um idiota. Se o jornalista é idiota eu não sei, mas malicioso, certamente.

3 - Não afirmei ou sugeri que Lula seja o Anticristo. Como cristão, jamais banalizaria o termo dessa forma.

UCC e neonazismo

Minha explanação das razões pelas quais rejeitamos o nazismo e o nacional-socialismo como um todo foi talvez a mais longa de todas. Todavia Ricardo Galhardo pretende fazer o público se convencer disso porque temos um aliado vegetariano e somos a favor de Israel. Sobre vegetarianismo e nazismo, não opus um ao outro como é subentendido pelo texto. Comentei sobre o vegetarianismo do líder da Resistência Nacionalista brevemente em uma situação descontraída, de maneira a afrontar o estereótipo do “brutamontes que quer sair dando porrada em todo mundo” que o supracitado jornalista insistia em atribuí-lo.

“A aproximação tem base na argumentação ideológica dos neoconservadores, segundo a qual é necessária uma elite intelectual que sirva de referência para a massa. 'Uma massa conservadora sem uma elite é uma massa de manobra. Não existe educação para as massas. Precisamos de uma alta cultura que sirva de referência para estas massas', disse Zanaro.”

Temos aqui a manipulação mais repugnante de todas. Quando mencionei a "massa conservadora desprovida de uma elite" me referi aos mais de 60 milhões de cristãos (entre católicos praticantes e evangélicos) e não às organizações com as quais participamos na Contra-Marcha da Maconha, como o jornalista tentou sugerir, nos tentando colocar como oportunistas instrumentalizadores das mesmas.

18 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. É impossível não ficar com nojo do jornalismo brasileiro lendo o que acabei de ler. Infelizmente, não podemos confiar naquilo que lemos nos jornais. Esses jornalistas escrevem o que querem e como querem. A desinformação reina neste país e é utilizada como forma de manipulação das massas. Mas Zenaro, suas explicações não terão a mesma dimensão que teve essa matéria do IG. Por que você não entra com um processo? Peça retratação e indenização.

    ResponderExcluir
  3. Olá Celso e UCC, tudo bem?

    Gostaria de conversar com vocês sobre esta matéria, visto que o professor Olavo de Carvalho vai processar o iG. Teriam um e-mail para contato?

    Meu nome é Alex Brum Machado, meu e-mail pessoal é alex.brummachado@gmail.com

    Abraços
    Alex

    ResponderExcluir
  4. É um dos braços jornalísticos do PT;
    Os integralistas que vc citou também fizeram uma nota: http://www.integralismo.org.br/?cont=781&ox=123&vis=

    ResponderExcluir
  5. Caro,

    Escrevi um longo post ( http://sognarelucido.wordpress.com/ )sobre o Angu que são as matérias sobre os skinheads publicadas no iG. Basicamente, é aquele maniqueísmo típico das Faculdades de humanas no Brasil: "Se você não diz ser de esquerda, é de direita, se diz-se de direita, é um fascista!"

    abraços

    ResponderExcluir
  6. Recomendo mais cautela em suas entrevistas, caro Celso Zenaro. O jornalismo está cheio de jornalistas oportunistas, profissionais sem inspiração, que esperam o momento adequado para escrever a matéria de sua vida, só para obter promoções profissionais e agrados de colegas e partidários de ideologias simpáticas àqueles que estão no poder político no Brasil. Para isso vale tudo: falta de ética profissional, oportunismo, enfim...Veja primeiro se o jornalista é confiável, e digo já que infelizmente são poucos, mas muito pouco mesmo.Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Recomedação a todos que forem dar entrevistas:

    GRAVE TUDO DO COMEÇO AO FIM.

    Não edite nem mesmo um peido ou um arroto. Guarde o material a 7 chaves e caso necessário publique na rede.

    Claro, os mídias vão dizer que você está querendo "pré-censurar" a entrevista. Responda que, muitíssimoo pelo contrário, você quer resguardar o que for dito para que mesmo o jornalista possa, caso necessário, acessá-lo outra vez, em caso de dúvidas, e que o outro motivo é que você quer guardar para sempre este momento tão maravilhoso e emocionante, uma entrevista sua para aquele "grande" jornalista daquela "grande" empresa de mídia que naquele dia achou importante vir te ouvir sobre o assunto em pauta.

    Faça-se de besta, diga que ficou tão lisonjeado pela solicitação da entrevista que toda a sua família aguarda ansiosamente para assisti-lá ou lê-la. E que não entende porque quiseram te ouvir, visto que "sou tão insignificantes, burro e sem assunto".

    Gravar a entrevista é a sua certeza de que não vão adulterar o material. Se não toparem fica evidenciado a má-fé, para dizer o mínimo.

    Abração
    CT

    ResponderExcluir
  8. Eu ia justamente escrever um comentário a respeito dessa matéria. Putz grila, mas como é possível um jornalista ser tão cara de pau! Impressionante.

    Eu, por um momento pensei, esse sujeito deve de ser meio tapado, aprendeu umas groselhas nas aulas de sociologia na faculdade de jornalismo e anda por aí cagando regra, mas pelo que li, relatado nesta postagem, fica claro que o sujeito é mal intencionado.

    É preciso que se processem o IG. Esse site é um portal stalinista! Já hospedaram Paulo Henrique - odeia São Paulo - Amorim, Luis Nassif, entre outros petistas de nome.

    Barbaridade...

    ResponderExcluir
  9. as ideias antiliberais vão pipocando:

    http://pbpolitica.blogspot.com/2011/10/em-busca-de-uma-agenda-consensual-para.html

    ResponderExcluir
  10. Meu caro, existe males que vem para o bem, não conhecia o movimento de vocês, e diferente da maioria do leitores sei claramente identificar uma matéria manipulada, busquei sobre vocês até que cheguei a esse blog. Sou universitário da UFF, Universidade Federal Fluminense, gostaria que conversa com você sobre o UCC, quero saber mais sobre você. Tenho certeza que seria muito bom conhecer um pouco mais sobre quem tem um visão parecida como a minha. abraços e força, eu costumo dizer, que é melhor ganhar um por vez, com convicção, do que vários desvairados. abraços meu caro.

    ResponderExcluir
  11. Ufa, ainda bem que colocou-se luz aos fatos! Pelo menos vocês não são tão bestiais assim.

    ResponderExcluir
  12. Olá Celso,

    Sou aluno do IME-USP. Como é que eu me alisto para a UCC?

    Sempre no Coração de Jesus e de Maria,
    Carlos Filipe

    ResponderExcluir
  13. Sr. Zenaro, admiro suas idéias e apoio o trabalho de vocês na UCC. Lamento o truque sujo do repórter do Último Segundo (que bem revela seu caráter e a real agenda oculta a qual ele de fato é serviçal) e torço para que o movimento das maiorias silenciosas e conservadoras da USP - e por extensão da sociedade brasileira - fartas de mentiras, violência, estupidez e de imoralidades, passem a se manifestar publicamente nas ruas com mais ênfase, e não só na internet. PS: Na sua entrevista ao JC, deixei também um comentário de apoio. Abraços.

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Me causou espécie o fato de ter visto em um vídeo do Olavo de Carvalho (datado de 29 agosto 2012) um certo desdém quanto a legitimidade (no sentido de justo, natural, racional) do vegetarianismo, ao traçar um paralelo entre socialismo- ocultismo e vegetarianismo após um rapaz por telefone mencionar um livro de Giorgio Galli...

    Vale mencionar que todas as tradições teístas e monistas da Índia, incluindo o Vaishnavismo e o Mayavadismo, assim como o Budismo, o Jainismo, o Sikhismo, passando pelo mundo greco-romano, pelos padres da Igreja primitivos como Tertuliano e Clemente de Alexandria e mais, como também de épocas mais recentes como São Francisco de Assis, São Francisco de Paula e Filipe Néri, até a Igreja Adventista do Sétimo Dia defendem e defenderam uma dieta vegetariana por perceber que Deus habita todos os seres, independente de sua forma.

    Quanto ao caráter vegetariano de Hitler, há controvérsias sobre sua convicção a tal dieta. Diz as línguas que o doutor dele às vezes prescrevia a dieta vegetariana para melhorar sua saúde. Goebbles, o então Ministro da Propaganda, tomou esse fato e distorceu-o para criar nas pessoas a idéia de que o Fuhrer era um homem santo como o contemporâneo vegetariano Mahatma Gandhi.

    gostaria de ter a opinião de vcs...obrigado!

    ResponderExcluir
  16. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    é sério esse site??? Vocês existem mesmo?? Acabaram de chegar do ano 3??? kkkkkkkkkkkkkkkk
    Impagável, sensacional... bem me disseram sobre as viagens desse povo da USP. Oh, dó...

    ResponderExcluir